Concepção Geral

 
A Moked é a gerenciadora da area de segurança do empreendimneto (na modalidade de Outsourcing) e desta forma representa a Política de Segurança estabelecida pelo proprietário junto aos demais prestadores de serviços e aos inquilinose, onde cabe a mesma garantir sua implantação no campo.
 
Desta forma a Moked definirá, as contramedidas físicas e organizacionais, humanos e técnicos, incluindo as rotinas operacionais a serem implantadas no empreendimento.
 
O sistema definido pela Moked nos Sites do tipo multiusuários, é considerado como básico, ou seja, o mínimo necessário - proporcionalmente ao Grau de Risco de cada Ameaça potencial que pode impactar a área comum.
Caso existe uma necessidade ou solicitação de alteração do escopo por parte da Administradora ou dos inquilinos, a Moked apresentará alternativas com seu referido impacto financeiro-operacional e, caso aprovado, os custos envolvidos considerados comuns, serão rateados entre todos os inquilinos.
Em caso de inquilinos com maior risco, a Moked, junto com a Administradora, definirá as contramedidas especificas para cada tipo de inquilino e a Administradora cobrara os custos envolvidos da área privativa dos inquilinos.
A segurança faz parte do negócio, e cabe o Gestor da Administradora gerenciar as rotinas operacionais também na área de segurança.
No caso de situações que fujam destas rotinas, as mesmas devem ser comunicadas à equipe da Moked que possui a expertise necessária para a sua resolução.
Da mesma forma, a Moked deve ser informada em caso de qualquer observações ou reclamação de terceiros (inquilinos, fornecedores, etc.), devendo a Administradora estabelecer junto a Moked o posicionamento a ser comunicado aos respectivos inquilinos.
 
NGA e POP de Segurança
 
A Empresa de segurança é a exclusiva responsável pela elaboração da Normas e Procedimentos, bem como, assume a responsabilidade Civil e Criminal sobre a atuação do seus empregados.
A função da Moked é garantir que as Normas e Procedimentos atendem a Política de Segurança do empreendimento.
 
Regulamento Interno
 
A Administradora deve elaborar o Regulamento Interno do empreendimento a ser validado também pela Moked.
Com relação à aplicação de sanções e advertências aos inquilinos, no caso de descumprimento das normas presentes no regulamento interno, a Administradora de primeiro momento, devem encaminhar uma notificação “polida” ao inquilino, e no caso de reincidência, aplicar multa.
 
Pagamentos
 
As notas fiscais de todos os fornecedores da área de segurança, são encaminhadas pela empresa contratada diretamente para a Moked, que realizará uma análise básica sobre os valores cobrados, com foco em cobrança de serviços extra, reajustes, etc.
Após sua análise, a Moked encaminhara a documentação para a Administradora que deve providenciar o pagamento somente após receber em escrito o “de acordo” da Moked.
 
Fluxo de Comunicação
 
O gestor deve priorizar contato direto com o Consultor responsável e caso necessário pode acionar o Gerente da área e caso qq dificuldade, pode acionar a Central 24h da Moked.
 
Contratos
 
Com relação aos contratos, na área de segurança existem dois tipos de contratos de mão-de-obra, a saber: de segurança (vigilância) e de serviços gerais de apoio à segurança (recepção, portaria, bombeiro).
Atendendo a legislação estes serviços devem ser fornecidos por empresas distintas, mas pelo padrão Moked, as mesmas devem ser do mesmo grupo de acionistas.
No caso do contrato de vigilância humana, o mesmo será de acordo com o padrão da Moked que será também a responsável pela gestão operacional do mesmo, conforme consta na RFP elaborada pela mesma.
 
Já no caso dos contratos de serviços gerais, a responsabilidade da gestão do contrato é da Administradora de acordo com os padrões das mesmas.
 
A gestão financeira-administrativa de todos os contratos da área operacional, seja de mão-de-obra, de aquisição e manutenção de equipamentos, ou outros serviços, são sob responsabilidade exclusiva da Administradora.
 
Importante destacar que todos os colaboradores dos serviços gerais de apoio à segurança devem atender as orientações do Líder da equipe de segurança.
 
Considerações finais
 
A segurança é uma ferramenta e não o objetivo, ou seja, a missão de todos os envolvidos nesta área é garantir o negócio, lembrando que todas as operações prediais impactam o nível de segurança, tais como, iluminação e conservação ambiental, jardinagem e retirada de lixo, vias de circulação e comunicação visual, etc. 
Em todos este assuntos a Moked deve ser envolvida, mas neste caso a atuação do Gerente predial é fundamental, até pelo fato que ele vive no local no dia-dia e a Moked efetua uma gestão remota com visitas esporádicas in-loco.

 

Embora o significado é totalmente diferente, Security e Safety traduzem-se, em português, numa só palavra “Segurança”.

De forma simples Security visa a análise de risco, projeção e gestão das contramedidas frente as ameaças originadas por atos intencionais que possam prejudicar o empreendimento e Safety visa na prevenção de atos não intencionais provenientes de negligência humana ou pela inexistência de proteção de equipamentos de trabalho.

A Moked não desliga pessoas da equipe sem informar isto antes para o cliente e NUNCA fizemos isto em toda nossa história operacional.

Este é nosso padrão de trabalho de sempre, e é nosso padrão por que acreditamos que esta é a forma profissional de trabalho, considerando que o cliente conhece os Agentes pessoalmente e não pode ser surpreendido com a troca de pessoas da sua equipe.

A seguir, podemos entender melhor o caso do Agente referido em sua questão, que é um bom profissional e deveria continuar a trabalhar conosco por longo prazo...

Por enfrentar vários problemas disciplinares, ele foi punido com 2 dias de suspensão, ferramenta esta muito comum, com a intenção educativa, visando a continuidade do mesmo conosco.

Quando informamos ao Agente sobre esta punição, ele afirmou que não queria mais continuar neste projeto pela difícil carga horária no trabalho, já que ele preferia ganhar menos e investir mais tempo com sua família. Nesta conversa, combinamos com ele que na próxima oportunidade, o recolocaríamos em outro contrato.

Devemos lembrar que a Moked não é a empregadora dos agentes. Ao contatarmos o Gerente da empregadora, ele nos informou que este Agente chegou ao escritório da empregadora para receber a advertência e se recusou a assinar um Documento Legal, e pela discussão com o Gerente, o mesmo foi demitido.

Este Gerente nos pediu mil desculpas pelo fato de não ter informado imediatamente este incidente para a Moked.

É fundamental entender que a Moked seleciona, treina, exige, fiscaliza, faz simulações, cobra performances, adéqua e não deixa ninguém em paz, até completar a missão, mas os agentes são empregados de outra empresa e devem satisfação para esta também. Para a Moked, o Agente deveria estar em suspensão administrativa, mas a empregadora não o queria mais como empregado.

Sobre a segunda parte de sua questão, verificamos nosso banco de dados e confirmamos também que o índice de turn-over de pessoas na sua equipe é MUITO BAIXO para um sistema que tem fiscalização profissional.

Turn-over zero existe somente em sistemas que não possuem uma fiscalização profissional como a da Moked. Nestes casos, as pessoas podem ficar por toda a sua vida na função, sem qualquer fiscalização, onde somente na hora “H” quando mais se precisa, descobre-se a disfunção do sistema... Isto pode ser tarde demais, concorda?

É claro que quem define se um agente deve sair é a Moked, que acompanha o dia-a-dia do profissional durante seu trabalho no campo, durante os treinamentos, etc., onde parte principal de nosso trabalho é exatamente detectar qualquer alteração no seu comportamento ou desempenho.

Este é nosso padrão de trabalho, e sempre tem sido assim. Uma vez, entregamos um posto por que o cliente não queria demitir seu “profissional de confiança” após detectarmos sinais suspeitos de desvio de conduta. Depois de 3 anos, recebemos um telefonema deste cliente, informando-nos que este mesmo “profissional de confiança” o roubou por logo tempo...

Este é nosso padrão de trabalho! Enquanto a Moked se preocupa com a segurança do seu cliente, sabemos que outros concorrentes se preocupam mais em agradar o cliente.

A Moked é realmente diferente: para nós é melhor entregar o posto por não aceitar trabalhar fora de nossos padrões, do que perder o contrato por falha no sistema de segurança.

 

Posição Moked: A Moked preparou uma análise das vantagens da contratação de uma consultoria profissional que assume a responsabilidade na gestão do seu Sistema Integrado de Segurança (S.I.S.).
Disponibilizando um gestor geral ou residente (Security Manager), atendendo as definições e as expectativas financeiro−operacionais do cliente, a contratação de uma consultoria garante também a implantação e a manutenção de um padrão administrativo−operacional, evitando as conseqüências negativas que se manifestam em cada troca da pessoa responsável, ou seja, o gestor orgânico. Entre outros, podemos destacar os seguintes:

 

  • Dúvidas e confusão com a implantação dos novos conceitos;
  • Tempo perdido com a adaptação das equipes para a nova cultura;
  • Desmoralização da equipe;
  • Gastos imprevisíveis.

Também devemos lembrar que o padrão oferecido pela consultoria é baseado de anos de experiência acumulada com a gestão de varios contratos e variedade de situações já solucionadas.
A consultoria geralmente oferece um escopo abrangente que inclui, além da gestão, a seleção e a capacitação dos profissionais, diagnósticos e análise de riscos, projetos e especificações técnicas, coordenação de concorrência, sindicâncias, etc.
Gerenciando vários contratos com terceiros, garante o “poder de negociação” da consultoria, oferecendo assim aos seus clientes, maior satisfação e benefícios operacionais e comerciais.
Abaixo apresentamos uma tabela comparativa entre a gestão orgânica e sua terceirização (outsourcing).

 

Gestão Consultoria Gestor Orgânico
Especializada no seu ramo, suas atividades são isoladas, específicas e primordiais. Faz parte da estatura e da rotina organizacional e seus objetivos são secundários às atividades fim do seu cliente.
Por ter cultura de consultoria empresarial, prioriza o Retorno Sobre Investimento, empregando processos modernos de gestão e define as contramedidas proporcionalmente ao Grau de Risco. Por ser gestor individual, e ainda com visão focada nas operações, exagera na infra-estrutura e na aquisição de recursos.
Use recursos próprios rateados entre vários contratos. Usa recursos internos de forma exclusiva.
Não subordinada, possui visão objetiva das reais necessidades, e sem vínculos pessoais focaliza exclusivamente na sua missão. Subordinado, procura manter o emprego e sempre atender as expectativas do superior.
Aplica e mantêm um padrão baseado de conceitos profissionais. Extraídos da ampla experiência da equipe de consultores. Padrão individual que muda com cada troca de gestor.
Mantém visão global e padrão de atualização contínua oferecendo soluções eficazes baseados de experiência acumulada em outros contratos também. Possui visão local e sem oportunidades de atualização.
A Gestão é o serviço-fim com escopo detalhado e valor pré-fixado, visando manter o contrato por longo prazo, atendendo além das expectativas do cliente. Naturalmente prioriza seu plano de carreira e busca reconhecimento no mercado visando melhoria financeira contínua.
Procura manter contrato, sempre superando expectativas do cliente. Se for bom profissional procura novos desafios e sempre recebe novas propostas.
Efetua auditoria, analisa e justifica cada gasto. Somente justifica cada gasto.
Escopo abrangente que inclui a gestão, consultoria, treinamento, projetos, técnicos, etc. Escopo limitado à gestão dos contratos. Obrigado a contratar e investir em cada ação necessária.
Estabelece relação empresarial. Cria relação pessoal comprometida com o cliente.
Disponibiliza profissionais especializados para cada área de atuação. Um único profissional com conhecimento limitado.
Trata em vários assuntos e em varios locais diferentes ao mesmo tempo. Deve tratar cada caso separadamente.
Custo mensal relativamente baixo e fixo. Custo relativamente alto e variável.
Não tem férias, licença médica, etc., fornece o escopo contratado 24x7x365. Na teoria “sempre à disposição”, na prática não pode ser “sempre disponível”.
Desligamento simples com custo e prazo previstos. Desligamento complicado e custoso.

Posição Moked: Para garantir a constância qualidade da prestação de serviços de segurança e sua melhoria contínua, a Moked desenvolveu uma sofisticada ferramenta de medição, conhecida como Service Level Agreement (SLA (Acordo de Nível de Serviços).
É um conjunto de expectativas do Cliente e compromissos assumidos pelo Fornecedor elaborado em conjunto entre as partes, baseado em parâmetros de medição e na continuidade de serviços de forma que garante um nível de serviço de acordo com o estabelecido.
Na implantação do SLA seguimos os seguintes passos:
1º Mapeamento dos processos, integração e seqüência;
2º Análise a situação atual em termos de deficiências e qualidades de cada processo;
3º Estabelecimento do alvo a ser atingido em termos de eficiência e eficácia;
4º Definição dos Indicadores Chaves de Performance (KPI’s);
5º Medições periódicas para monitoramento da evolução destes indicadores;
6º Análise os resultados e implementação das melhorias necessárias;
Os indicadores (KPI’s) devem ser quantificáveis e baseados em fatos observáveis e passíveis de serem documentados.
As metas propostas devem ser ambiciosas, mas realisticamente atingíveis: Não se pode avaliar nada tendo como base uma meta impossível de ser alcançada.
Como resultado da gestão de performance, estes indicadores poderão estar relacionados com outras funções relacionadas com a gestão de pessoas.

Após a realização de uma festa particular, onde o sistema de segurança demonstrou eficiência, agilidade e profissionalismo no atendimento aos seus visitantes, é comum o morador/inquilino, sentir vontade (e até o dever) em agradecer a equipe dos profissionais envolvidos, onde normalmente, o agradecimento chega em forma de presente material em espécie.

Também é de costume por parte dos moradores beneficiarem os profissionais da equipe na época das festas de final do ano.

Mesmo parecendo ser uma atitude nobre e com intenção totalmente positiva de reconhecimento dos esforços - o resultado ao médio/longo prazo pode ser desastroso.

Isto pelo simples fato que o profissional recebe seu salário e benefícios para focalizar na proteção da área comum do empreendimento, e o recebimento de bonificação de um morador ou inquilino gera uma relação pessoal com este, prejudicando sua atividade-fim.

Devemos nos preocupar também com o fato que o recebimento de presentes ou bonificação de forma individual e não controlada pode corromper e comprometer os profissionais que começarão avaliar cada morador de acordo com o valor da bonificação.

Isso gera uma relação personalizada e diferencial entre cada agente com cada morador, “obrigando” de alguma forma a concorrência/leilão, onde o conceito é gerar uma relação profissional da equipe e comprometimento com o empreendimento como um todo.

Pior ainda é quando a bonificação é dada somente para parte da equipe, com padrões diferenciais, valores variáveis e/ou em espécie, gerando uma sensação de desigualdade, inveja e desmotivação, bem como conflitos de escalas, questionamento de merecimento, etc.

É possível sim agradar os profissionais, demonstrando a satisfação e reconhecimento, através de saudações verbais, uma carta de agradecimento, ou em casos especiais com um presente coletivo.

Visando nosso conceito em manter o mínimo contato entre os moradores e os profissionais de segurança, é importante que este processo seja gerenciado pelo gestor da área de segurança e/ou da administradora predial, que deve analisar cada caso e distribuir a bonificação de forma cuidadosa, beneficiando todos os colaboradores de forma igual e, de preferência, impessoal, ou seja, sem informar quem deu o quê ou quanto.

A Moked assume a Gestão (outsourcing) do sistema de segurança permitindo que o cliente esteja totalmente despreocupado com sua proteção.

É como ter um gestor orgânico, mas com a grande vantagem de empregar vários especialistas cuidando da sua segurança, cada um em sua área específica.

[vide comparação entre gestão orgânica e outsourcing no seguinte link: por_que_outsourcing ]

Além de não se envolver na relação interpessoal com os agentes evitando chantagens emocionais, etc., a Gestão da Moked garante ao cliente a tranquilidade e sossego de gerenciar sua rotina sem a necessidade de gerenciar também a sua própria segurança.

 

Abaixo uma tabela resumida de nosso escopo de gestão:

 

SERVIÇO

DESCRIÇÃO

01

Consultoria e/ou Assessoria

Braço direto para qq assunto de segurança.

02

Help-Desk 7d x 24hs

Monitoramento de Alarme por atendimento telefônico

Controle de imagens da CCO em caso de alarme

Controle das Equipes Operacionais (por Nextel e/ou GPS)

03

Web Service online

Pastas Pessoais dos profissionais

Gestão de e-mail exclusivo para o posto

Programa de Controle de Acesso

Relatório Situacional / Gestão de Tarefas e Pendencias

04

Reuniões / Vistas in-loco

Estratégicos-conceituais e administrativos-operacionais

Projetos técnicos e acompanhamento de manutenção

05

Operações/Gestão de crises

Diagnósticos Situacionais pontos físicos e dinâmicos

Simulações Operacionais (teórica e prática)

Testes de alerta e Exercícios de Intrusão

Apoio in-loco na coordenação das Ações Corretivas

Representação nos órgãos de segurança públicos

Análise de Ocorrência / Denúncias / Sindicância

Coordenação de Ações contra espionagem

06

Gestão de contratos

Análise administrativa-operacional

Avaliação e atualização dos POPs.

Planejamento de evento específico

Aprovação de cobranças fixas, variáveis reajustes, etc.

07

Implantação e Operação

Concepção do Sistema Integrado de Segurança

Especificação da qtd, sexo e perfil, política salarial, etc.

Especificação do formato dos uniformes, a paisano, etc.

Especificação dos recursos técnicos: armas, veículos, motos, etc.

Elaboração de RFP e análise de propostas

Triagem da equipe: histórico e aptidão psicológica e física

Capacitação profissional (KM&C, TTI, PIO, PS&PCI

Integração das equipes e startup do sistema e inicio da rotina

Melhoria contínua com requalificação mensal e semestral

Gestão de problemas pessoais e interpessoais

Coordenação de demissão de profissionais e domésticos

Representando o cliente em ações trabalhistas

Sem menor dúvida, e confirmamos que hoje, muitos síndicos de condomínios residenciais optam por empresas terceirizadas de mão-de-obra pelas grandes vantagens que esta modalidade apresenta aos moradores, seja pela eficácia operacional, mas também pela forma de gestão, controle de custos e responsabilidade civil.

Primeiramente, cumpre aqui descrever o conceito de terceirização, de forma bastante simplista, como sendo a contratação de uma empresa especializada (terceiro) naquela atividade, para a realização de atividades que não constituem o objeto principal da empresa contratante.

Esta contratação deve agregar a atividade-fim de uma empresa (aquela que presta os serviços especializados), à atividade-meio de outra (aquela que contrata os serviços).

Traduzindo, isso quer dizer que um condomínio (apesar de não constituir-se em uma empresa, é sujeito capaz de contrair direitos e obrigações), poderá contratar terceiro para prestar-lhe serviços especializados, os quais não correspondam a sua atividade-fim (atividade principal).

O Tribunal Superior do Trabalho (TST), através da Resolução n. 23/93 – OE, criou o Enunciado nº 331 de 17/12/93 reconhecendo como legal a contratação desta tecnologia administrativa nomeada como “terceirização de mão-de-obra”.

Assim, entendendo que um condomínio, que tem por simples objetivo a sua administração (atividade-fim), podemos afirmar, com absoluta tranquilidade, que este poderá terceirizar serviços especializados atinentes à sua atividade-meio, quais sejam, conservação e limpeza, vigilância e manutenção técnica, desde que observada a especialidade do prestador.

Ainda assim, é comum a contratação através de empresas de mão-de-obra, trabalhadores que exercerão o cargo de recepcionista, porteiro, operador, atendente ao público, fiscal de piso, fiscal de transito, etc., apesar de que, não há ainda na legislação em vigor, empresas especializadas em serviços desta natureza, e estas atividades poderão ser considerados com de Vigilância, para a qual existe norma específica.

Além de manter custo mensal fixo, a terceirização pode até gerar economia na folha de pagamento do condomínio, mas o principal benefício é que o síndico poder delegar uma parte extremamente importante da administração condominial – a proteção de pessoas e bens.

Neste caso a empresa contratada é quem deve escolher, treinar, gerenciar, fiscalizar, fornece uniformes e equipamentos, pagar seus profissionais e trocar cada um que não atende as expectativas do síndico.

Na prática, não se deve existir diferença entre o empregado orgânico e o terceirizado e da mesma forma, nem para o morador, mas ainda assim a terceirização apresenta inúmeros de vantagens para o condomínio, que entre outros são:

  • Aumenta o nível profissional dos funcionários que são selecionados, treinados, monitorados e fiscalizados pela sua empresa de forma permanente.
  • Garantindo um preço mensal fixo, incluindo uniformes, equipamentos, cobertura de faltas, férias, Horas Extras, 13º, desligamento, etc., e ainda sendo pago somente pelo serviço executado.
  • Libera o síndico da função de gestor para fiscalizador.
  • Menor Turnover e ausência de vínculo pessoal e empregatício direto com os funcionários contribuindo para a segurança dos moradores.
  • Possibilita trabalho com segurança armada.
  • Transferência da responsabilidade civil e criminal e redução dos riscos trabalhistas, especialmente com benefícios e encargos, danos morais e desvio de função.
  • Remanejamento simplificado e rápido do quadro, sem pagamento de encargos da rescisão ou gastos decorrentes de acidente de trabalho.
  • Substituição emergencial e ou programada em caso de licenças médicas, férias ou em qualquer outro caso de falta.
  • Garantia de performance profissional pela adoção da sistemática de avaliação de performances e aplicação de multas.
  • Rescisão contratual completa ou parcial, sem custos adicionais.

É importante destacar que a terceirização é coisa séria e, terceirizar os serviços também pode apresentar um risco - um passivo trabalhista para pagar.
Se a terceirizada não pagar em dia os direitos e encargos dos seus trabalhadores, o condomínio poder ser obrigado a pagar esses valores, uma vez que o tomador dos serviços é corresponsável pelo pagamento.

Para eliminar este risco é fundamental que o síndico libera os devidos pagamentos somente após conferir se os salários, benefícios e encargos trabalhistas estão sendo pagos corretamente.

Importante: para evitar que a relação do condomínio com os funcionários configure vínculo empregatício por subordinação é recomendado que um supervisor da terceirizada dará ordens aos profissionais da mesma. 

Primeiramente registramos que, apesar de não ser reconhecida, a escala de 4 x 2 é aceitável para VSPP, condicionada ao pagamento de horas extras a partir da 8ª hora do dia para toda a equipe, e para o folguista em turnos alternados, a partir da 6ª hora.

Ainda assim, a diferença de custos entre as escalas é pequena, porém, as diferenças de salários dos funcionários, e consequentemente, as dificuldades operacionais serão grandes. Também seguem abaixo algumas considerações.

O recebimento mensal do VSPP na escala 4 x 2 é bem maior do que os ganhos do Vigilante na Escala 12 x 36.

Trabalhando na escala 12 x 36 os Vigilantes não recebem horas extras, mas como esta escala lhes permitem trabalharem em dois empregos ao mesmo tempo, normalmente possuem dois empregos para complementar a renda.

Sendo assim os Vigilantes que trabalham em dois empregos, trabalham cansados, estressados, possuem um grande número de faltas e não demonstram comprometimento com o trabalho, porque possuem vínculo com duas Empresas.

Para exercer a função de VSPP, além do curso de Formação de Vigilantes, também é necessário ter no mínimo um ano de experiência na função de Vigilante e realizar o Curso de Extensão em Segurança Pessoal Privada.

O VSPP possui um nível mais elevado, para assimilar e interagir com os diversos sistemas de segurança instalados e principalmente, remuneração compatível com o nível de atribuições que lhes serão delegadas e cobradas diariamente.

O VSPP irá trabalhar na escala 4 x 2, esta escala não permitirá que ele trabalhe em dois empregos ao mesmo tempo e o VSPP ainda terá 10 dias de folga por mês, poderá desancar, frequentar academias, fazer cursos e treinamentos extracurriculares. Sem dúvida trabalhará satisfeito e principalmente comprometido com a segurança, porque será o seu único vínculo de trabalho e terá uma remuneração compatível.

Veja abaixo uma simples tabela comparativa:

 

Item Escala 12x36 Escala 4x2
Função Vigilante VSPP
Equipe (Qtd pessoas) 20 15
Salario Piso R$1.351,78 R$ 1.351,78 + 10%
Horas Extras Sem HE 4h diárias
Recebimento mensal R$ 2.600,00/media mês R$ 3.550,00/media mês
Folga 15 dias por mês (ou nada) 10 dias por mês
Experiência Não necessário Um ano como Vigilante.
Curso de formação 200 horas aula. 200 + 50 horas curso adicional.
Turnover, faltas, etc. Alto Baixo
Motivo Não tem nada a perder Receio de perder o emprego
Falhas operacionais Alto Baixo
Motivo Procedimentos distintos Procedimentos exclusivos
Comprometimento Baixo Alto
Motivo Não deve nada para ninguém Reconhecimento profissional
Aptidão física Baixa Alta
Motivo Cansaço e falta de tempo Treinamento periódicos

Nossos Clientes